Porcos-do-mato

Em “O Encontro Fortuito de Gerard van Oost e Oludara”, Saci-Pererê manda uma matilha de porcos-do-mato em direção a Gerard, que tem que subir em uma árvore para escapar. Hoje em dia, este animal é conhecido como Queixada, mas no Brasil Colonial, os porcos selvagens eram conhecidos como porcos-do-mato ou porcos-monteses, por causa da sua semelhança com estes animais europeus.

Os cronistas seicentistas escreveram bastante sobre Queixadas e Caititus, os porcos nativos do Brasil. Pero de Magalhães de Gândavo escreveu sobre três tipos de “porcos monteses”, que em Tupi chamaram-se de tajaçu, tajaçutirica e tajaçueté. Ele falou de um “umbigo nas costas” que é, na verdade, uma glândula dorsal que solta um poderoso cheiro almiscareiro. Fernão Cardim notou que o cheiro era tão forte que os cachorros facilmente encontravam os rastros dos animais. Ele também mencionou que os porcos selvagens eram tão numerosos que serviram de alimentação comum para os índios.

Queixadas vivem em bandos e são os porcos selvagens mais agressivos. Fernão Cardim descreveu que as queixadas eram tão ferozes que atacavam tanto cachorros quanto caçadores, e que homens tinham que subir nas árvores para escapar com vida, a mesma técnica que o Gerard foi forçado a usar.

Caititus

(Imagem: Brian Gratwicke, Wikimedia Commons)

Queixada

(Imagem: Ana Cotta, Wikimedia Commons)

Os porcos de água doce mencionados pelos cronistas são capivaras. Atualmente, as capivaras não são mais consideradas porcos e foram classificados como o maior roedor do mundo.

Mensagens postadas

Participe da discussão