Postagens marcadas honras

Entre os melhores do mês da Equipe Cabulosa!

Leitor Cabuloso elegeu recentemente as cinco melhores leituras do mês, e ficamos honrados em informar que, entre eles, está A Bandeira do Elefante e da Arara: O Encontro Fortuito. A lista não é pouca coisa, e incluí, além d’A Bandeira, livros de John Green, Suzanne Collins, Michael Crichton e George R. R. Martin!

CMnbAEfWoAAv7t3

Rodrigo Fernandes escreve:

“A arte envolvida me deu uma nova visão da participação de alguns personagens e reforçou minha certeza da relevância e beleza da subtrama envolvendo o elefante do título.”

cabulosinho

Muito obrigado a toda a equipe CabulosoCast! É uma honra, e um privilégio!

#ABandeira


A Bandeira do Elefante e da Arara: O Encontro Fortuito, é finalista do Prêmio AGES LIVRO DO ANO

É com muito prazer que posso anuncar que A Bandeira do Elefante e da Arara: O Encontro Fortuito encontra-se entre as finalistas para o Prêmio AGES – LIVRO DO ANO 2015, na categoria especial.

O anúncio da AGES encontra-se aqui.

premio_ages_2015

É uma honra ter o livro incluído nesta lista, entre tantas grandes obras. Agradeço a AGES (Associação Gaúcha dos Escritores) pela oportunidade.

O resultado final sai no dia 11 de julho.


Homenagem da MonsterBed

Semana passada, fui honrado ao receber uma homenagem inesperada da equipe da MonsterBed Game Studio.

Esta pintura, de Ander Mathias, mostra Astro, estrela do game AstroMonkey: Hitball Arena, segurando com orgulho A Bandeira do Elefante e da Arara.

10860984_746609945414630_5705831056138498136_o

A foto abaixo foi tirada durante o lançamento da semana passada, com três membros da equipe. Pode ver pela minha camiseta que sou grande fã deles!

1507518_703997573050898_3972103815645930859_oJosé Francisco Moreira, Christopher, Lucas Saldanha e Felipe Peruzzo Milkewicz

Meu sinceros agradecimentos ao equipe por esta homenagem tão especial, as palavras não servem. Desejo-lhes sempre sucesso nos muitos games fantásticos ainda por vir!


Visita a aldeia Anhetenguá

Foi uma verdadeira honra para mim ser convidado a conversar na Tekoá Anhetenguá, aldeia Guarani, no dia 22 de outubro, sobre o tratamento do índio na ficção. Fui, junto com a autora Simone Saueressig, ao convite do programa Tecendo Histórias, Traçando Ideias da Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Sul.

Esta aldeia, localizada no meio do subúrbio de Porto Alegre, luta para perpetuar as tradições do povo Guarani. Foi um dia inesquecível, fomos muito bem recebidos pelos professores e alunos. As crianças pequenas se agarram na Simone, e ela adorou todo momento.

Aprendi muito durante a minha visita. A cultura Guarani, até recentemente, foi uma cultura oral. Eles ainda não concordaram em todos os detalhes da língua escrita. Porém, eles enxergam a literatura como uma ferramenta poderosa para guardar e repassar sua cultura para futuras gerações. O cacique falou da infância dele, uma bela história, e como ele gostaria de repassar esta história adiante por escrito. Como ele falou, “todo mundo tem as suas histórias a contar.”

Devido às suas tradições, não tirei fotos. Porém, as imagens desta visita estão gravadas para sempre na minha memória.